Dpjo

Controle de crescimento vertical durante expansão maxilar com uso de aparelho disjuntor modificado

|Francisco Marcelo Paranhos Pinto|Luciana Baptista Pereira Abi-Ramia|Andrea Sasso Stuani|Maria Bernadete Sasso Stuani|Flavia Artese|

Introdução: a expansão rápida da maxila (ERM) no tratamento da atresia maxilar e mordida cruzada posterior pode induzir alterações no sentido vertical. Os expansores com cobertura oclusal foram desenvolvidos com a intenção de minimizar os efeitos verticais indesejáveis. Objetivo: o objetivo desse estudo preliminar foi avaliar, por meio de radiografias cefalométricas, os efeitos verticais da ERM, realizada com aparelho disjuntor do tipo Hyrax, em crianças com atresia maxilar. Métodos: a amostra consistiu de 26 pacientes (11 meninos e 15 meninas) com média de idade de 8 anos e 5 meses, que apresentavam maxila atrésica e mordida cruzada posterior e foram tratados com aparelho disjuntor do tipo Hyrax com cobertura oclusal de acrílico. Foram feitas radiografias e análise cefalométricas antes do início do tratamento (T1) e após a fase ativa da ERM (T2) com intervalo de 7 meses, em média. Esses resultados foram comparados com valores normativos. Resultados: verificou-se que, ao final do tratamento, não houve alterações estatisticamente significativas nas medidas avaliadas e essas medidas foram semelhantes aos valores normativos utilizados. Conclusões: os dados indicam que não houve alteração no crescimento vertical dos pacientes, sugerindo que o aparelho com cobertura oclusal pode ser utilizado para correção de problemas transversais independentemente do padrão de crescimento do paciente.

Palavras-chave: |Técnica de expansão palatina|Dimensão vertical|Ortodontia interceptora|

Wednesday, September 23, 2020 07:50