Dpjo

Efeito da umidade no esmalte dentário na interação de dois sistemas de colagem ortodôntica

André Pinheiro de Magalhães Bertoz, Derly Tescaro Narcizo de Oliveira, Carla Maria Melleiro Gimenez, André Luiz Fraga Briso, Francisco Antonio Bertoz, Eduardo César Almada Santos

Objetivo: a proposta desse estudo foi avaliar, por meio de microscopia eletrônica de varredura (MEV), a interface adesiva após a descolagem de acessórios ortodônticos, fixados em dentes bovinos com emprego de adesivo hidrofílico e hidrofóbico, em condições distintas de umidade do substrato dentário. Métodos: foram utilizados 20 incisivos inferiores, divididos em quatro grupos (n = 5): Grupo I , empregou-se o sistema de colagem contendo o primer hidrofílico Transbond MIP e a pasta adesiva Transbond XT, aplicados em substrato úmido; Grupo II, empregou-se o sistema de colagem primer hidrofóbico Transbond XT e pasta adesiva em substrato úmido; Grupos III e IV, os braquetes foram colados com os mesmos sistemas de união dos Grupos I e II, porém com esmalte dentário seco. Removidos os acessórios, avaliou-se em MEV, em diferentes magnificações, a interface adesiva e a interação dos sistemas adesivos com o esmalte dentário. As imagens foram avaliadas qualitativamente, observando-se o embricamento mecânico para o adesivo hidrófilo em quaisquer condições de substrato. Resultados: a falta de umidade no esmalte condicionado permitiu uma melhor interação entre os materiais de ligação e a estrutura adamantina. O adesivo hidrofóbico apresentou o pior resultado de interação micromecânica quando aplicado a uma estrutura dentária úmida; já o sistema hidrofílico mostrou-se versátil, obtendo resultados aceitáveis em condições de umidade e excelente interação na ausência de contaminação. Conclusão: os autores afirmam que a melhor condição do esmalte dentário para a aplicação de primers é com a ausência de umidade.

Palavras-chave: Adesivos dentinários. Microscopia eletrônica de varredura. Braquetes ortodônticos.

Wednesday, February 19, 2020 01:39