Dpjo

Estudo cefalométrico comparativo do tratamento da má oclusão de Classe II com os distalizadores Pendulum e Jones jig, seguidos de aparelho fixo corretivo

Mayara Paim Patel, José Fernando Castanha Henriques, Renato Rodrigues de Almeida, Arnaldo Pinzan, Guilherme Janson, Marcos Roberto de Freitas

Objetivo: a proposta desse estudo foi comparar, cefalometricamente, os efeitos esqueléticos e dentoalveolares no tratamento da má oclusão de Classe II com os distalizadores Pendulum e Jones jig, seguidos de aparelho fixo corretivo, e compará-los ao grupo controle.Métodos: a amostra foi dividida em três grupos. Grupo 1: 18 pacientes tratados com o Pendulum; grupo 2: 25 pacientes tratados com o Jones jig; e grupo 3: 19 jovens com má oclusão de Classe II não tratada. Empregou-se o teste qui-quadrado para avaliar a distribuição da severidade e do sexo. Os grupos 1 e 2 foram comparados ao controle pela ANOVA a um critério; também empregou-se o teste de Tukey com o intuito de diferenciar as alterações do tratamento daquelas ocorridas pelo crescimento craniofacial.Resultados: não foram observadas alterações significativas entre os três grupos quanto aos componentes da maxila, mandíbula, relação maxilomandibular, padrão cefálico e tegumentar. Verificou-se uma vestibularização significativamente maior dos incisivos inferiores nos grupos experimentais e maior angulação mesial dos segundos molares superiores no grupo 2 (Jones jig). Nos grupos experimentais, a relação dentária e os trespasses horizontal e vertical foram corrigidos. Conclusão: pode-se afirmar que os distalizadores alcançaram seus objetivos de correção da Classe II.

Palavras-chave: Má oclusão de Angle Classe II. Ortodontia corretiva. Dente molar.

Tuesday, December 11, 2018 17:07