Endo

Displasia cemento-óssea florida: cuidados e quando se deve fazer o tratamento endodôntico

Alberto Consolaro, Renata Bianco Consolaro, Dario A. Oliveira Miranda, Ingrid Araújo de Oliveira

A displasia cemento-óssea florida é uma doença óssea esclerosante exclusiva dos maxilares, relacionada ao osso do processo alveolar que, na maioria dos casos, envolve bilateralmente a mandíbula, mas pode envolver, também, três ou até os quatro quadrantes. Se bactérias comuns da microbiota da boca e de canais radiculares acessarem o osso comprometido pela displasia cemento-óssea florida, haverá uma grande possibilidade de evolução para osteomielite secundária, com grande destruição e perda óssea mandibular. O endodontista pode ser acionado para atender o paciente com displasia cemento-óssea florida antes ou depois do diagnóstico estabelecido. Em radiografias periapicais — e mesmo em panorâmicas — em suas fases iniciais, a displasia cemento-óssea florida pode mimetizar uma lesão periapical crônica inflamatória, induzindo um diagnóstico equivocado, seguido de abordagem endodôntica imprópria em um dente que, no entanto, apresenta vitalidade pulpar. Quando o diagnóstico estiver estabelecido, o profissional deve abordar endodonticamente apenas se não houver vitalidade pulpar, sob condições de proteção sistêmica medicamentosa bem controlada e condições assépticas rigorosas, para se evitar bacteremias transitórias e contaminação direta das bactérias no osso periapical e periodontal, para não evoluir para osteomielite secundária mandibular.

Palavras-chave: Displasias ósseas. Displasia cemento-óssea florida. Osteomielites. Doenças ósseas.

Como citar: Consolaro A, Consolaro RB, Miranda DAO, Oliveira IA. Florid cemento-osseous dysplasia: care and when to do the endodontic treatment. Dental Press Endod. 2018 May-Aug;8(2):9-17. DOI: https://doi.org/10.14436/2358-2545.8.2.009-017.end

Wednesday, April 21, 2021 02:42